-->
Contato    Equipe    O site   

Entrevista: Edenbridge (Áustria)


A entrevista desta semana é com a banda austríaca de symphonic metal Edenbridge. Atualmente a banda é formada por Sabine Edelsbacher (vocal)Arne "Lanvall" Stockhammer (guitarra e teclado)Dominik Sebastian (guitarra), Johannes Jungreithmeier (bateria) e Stefan Gilp (baixo). Tivemos a oportunidade de realizar uma entrevista exclusiva com Lanvall, membro fundador e principal compositor da banda, onde ele nos fala um pouco da história do Edenbridge, o último álbum "The Great Momentum" é muito mais, confiram: 



EC - Primeiramente gostaria de agradecer-los por aceitarem realizar a entrevista ao Elegia e Canto. Gostaria de parabenizá-los pelos 20 anos de carreira, que a Edenbridge completa em 2018. Ao longo dos anos vocês conseguiram manter a sua essência musical desde o “Sunrise in Eden”, (2000) ao “The Great Momentum” (2017). Como vocês percebem essa trajetória da banda? 
LanvallObrigado, embora eu desejei comemorar os 20 anos em 2020, já que nosso primeiro álbum foi lançado em 2000. Tem sido um longo tempo com grandes experiências e a viagem musical continua. Nós lançamos 9 álbuns de estúdio, 3 álbuns ao vivo de um grande dvd, viajamos por toda a Europa, tivemos alguns ótimos shows na Ásia (Coréia, China, Taiwan, Vietnã) e na Rússia e tivemos nossa primeira visita no festival 70000tons of metal nos EUA / Mar do Caribe no ano passado.

EC - Apesar das muitas mudanças na formação da banda, vocês conseguiram uma façanha rara dentro do symphonic metal: ter desde o início a mesma vocalista. Podemos reconhecer o Lanvall como mente criativa por trás da magia musical, a alma da banda; e a Sabine com sua voz é a emoção, o coração do Edenbridge. Como vocês acreditam que conseguem realizar essa parceria de sucesso ao longo dos anos? E o que vocês pensam sobre as bandas do gênero que mudam constantemente as suas vocalistas? 
Lanvall: Bem, uma boa pergunta. Sabine e eu somos parceiros no crime (haha). Tivemos uma visão e nunca desistimos, porque sempre foi a música o que importava. Enquanto isso, também estamos trabalhando nas letras juntos, o que é absolutamente excelente. 
Bem, isso é bastante incomum, você está certo. Não conheço nenhuma outra banda nesse estilo, onde as forças criativas permaneceram as mesmas durante quase 20 anos. Quando eu escrevo, sempre tenho a voz de Sabine na minha cabeça, então eu sei exatamente como isso vai soar no final. Por outro lado, entendo por que há muitas mudanças em outras bandas. É a pressão do negócio, diferentes pontos de vista e sempre o fator de dinheiro, quando há dinheiro para compartilhar.

EC - Muita coisa mudou na indústria fonográfica nesses anos. O Edenbridge é uma das poucas bandas do symphonic metal que continuou trilhando uma carreira ininterrupta. Como vocês percebem hoje o papel da Internet no meio musical? E as suas novas formas de se consumir musica como os serviços de streaming? 
LanvallFoi uma carreira ininterrupta, mas também tivemos brechas mais longas entre os nossos álbuns lançados a partir de 2010. A internet é uma grande invenção. A comunicação é muito mais fácil hoje em dia. Por outro lado, streaming em minha opinião é a morte da música. Acabei de ler um artigo sobre um estudo, que diz que a estrutura da música mudou. Sem introdução, melhor começando com o coro, os vocais devem entrar depois de 5 segundos mais recentes. Que besteira! Estou fazendo música por amor à música e não por mais nada! Se essa paixão for perdida algum dia eu vou parar, com certeza. Infelizmente é quase o mesmo no metal. Toneladas de lançamentos sem inspiração estão inundando o mercado. Tudo é dominado pelo fator de turnê, portanto, o tempo de inspiração, composição e produção de álbuns inspirados está quase acabado.

EC - Acredito que para muitos no Brasil, o primeiro contato com o Edenbridge tenha sido através da participação da Sabine no álbum “Temple of Shadows” (2004), da banda brasileira Angra. Aproveito a oportunidade para dizer que “No pain for the Dead” é até hoje uma das músicas mais bonitas do Angra, e muito querida pelos fãs e não seria a mesma sem a sua participação. Como ocorreu o contato com o Angra? E Como foi participar do álbum? 
LanvallNós conhecemos o Angra no estúdio na Alemanha em 2001. Eles gravaram "Rebirth", nós fizemos o "Arcana", ambos com Dennis Ward. Em 2004 eles fizeram "Temple of Shadows" e nós fizemos "Shine", no mesmo estúdio, mesmo engenheiro. Então eles perguntaram a Sabine se ela queria participar em 2 músicas no álbum e ela imediatamente as gravou. Em 2005, acompanhamos Angra em sua turnê europeia e ela cantou aquela música como um dueto todas as noites. No ano passado, reencontramos o Angra novamente no festival 70000tons of metal. Ainda é uma grande banda!

EC – Em 2015, vocês lançaram o “A Decade and Half... The History So Far”, com quase 9 horas registros raros da banda com apresentações pelo mundo. Como surgiu a ideia de fazer esse DVD? E como foi o processo de escolha/organização dos vídeos?
LanvallDurante uma caminhada na floresta em 2014 tive a ideia de fazer um DVD sobre os nossos primeiros 15 anos. Imediatamente, comecei a digitalizar nossos velhos vídeos que se acumulavam em nosso arquivo. No final, trabalhei cerca de 1 ano e, finalmente, 6 DVDs com 9 horas de tempo de execução foram lançados. Há uma história de quando nos reunimos com nosso antigo baixista, Andi Eibler e antigo guitarrista Kurt Bednarsky falando sobre nossos primeiros anos. Você pode ver imagens de nosso primeiro show, mesmo de um ensaio de 1994 da banda pré-Edenbridge, Cascade. Existem 3 shows ao vivo completos na Alemanha 2004, em Pequim 2007 e na República Checa 2014 entre todos os nossos videoclipes, material de bastidores, sequências fora do palco de todo o mundo.



EC – Agora vamos falar um pouco sobre o último álbum o “The Great Momentum”, ele foi gravado em conjunto com a Junge Philharmonie Friestadt Orquestra. Como é gravar em conjunto a uma orquestra de verdade? E quais as maiores dificuldades desse tipo de gravação, em relação às gravações com samples de teclado?
Lanvall: Trabalhamos com diferentes orquestras no passado para procurar diferentes opções de som. Em 2007 gravamos a "Czech Film Orchestra" em Praga todos juntos. Este método é o mais natural, mas deixa poucas opções durante a mistura do álbum. Para "The Bonding" gravamos com o "Klangvereinigung Vienna" em seções (cordas, sopros, latão e percussão) que culminaram em uma separação muito melhor na mistura. Já gravamos com a "Junge Philharmonie" no nosso projeto acústico VOICIANO que funcionou lindamente. Por outro lado, a tecnologia de sampling é realmente sofisticada enquanto a isso. Estou apoiando as maravilhosas bibliotecas da Orchestral Tools, que na minha opinião são absolutamente o n° 1.

EC – Eu percebi através das letras do “The Great Momentum”, que vocês demonstraram ao longo do álbum que nossas escolhas, os momentos que vivemos moldam o nosso futuro, estou certa? Era este o objetivo da banda? Como surgiu o conceito do álbum?
Lanvall"The Great Momentum" é um título muito poderoso, portanto, precisava de uma obra de arte equivalente. "The Great Momentum" é o "atemporal, absoluto, AGORA". As pessoas muitas vezes tendem a viver no futuro ou no passado e se esquecem desse momento, onde a vida está acontecendo. A senhora de pedra em sua pose de meditação e a energia que flui através de seu corpo refletem isso muito bem. Foi muito bom que a Sabine tenha colaborado com as letras em 5 das 9 canções, isso trouxe alguns aspectos e ideias recentes para nossas letras.

EC – A música “Only A Whiff of Life”, do “The Great Momentum”, com o seu doce e melancólico duo de voz e piano, me relembra o clima do “Voiciano” (2014), como nasceu esse projeto? 
Lanvall: Logo após o nosso último álbum de estúdio “The Bonding”, Eu queria fazer algo diferente musicalmente. Em 2010, Sabine e eu tocamos uma pequena mostra acústica em Hanói (Vietnã), apenas piano e vocais. Isso foi realmente inspirador, então fundamos VOICIANO, o projeto acústico. Somente os instrumentos acústicos foram autorizados a serem usados, portanto, não havia bateria, guitarra elétrica e teclados. Gravei a maioria das partes de piano ao vivo sem trilhas de clique e então tudo fluiu. Em 2014, lançamos nosso primeiro álbum "Everflow". 
Tenho certeza de que haverá um segundo álbum às vezes, mas não no momento. Eu já gravei 2 músicas novas no piano, logo depois de as compor para capturar o sentimento, mas estava muito ocupado com Edenbridge para continuar. Mas, entretanto, as pessoas ainda podem comprar o álbum e todos os outros itens em nossa loja virtual www.edenbridgefanclub.org

EC – O final do “Great Momentum” é verdadeiramente épico com "The Greatest Gift Of All", na minha humilde opinião uma das melhores músicas da história do Edenbridge, simplesmente incrível! Vocês poderiam falar um pouco sobre a história/composição desta música? 
LanvallObrigado, também é um dos meus favoritos absolutos. A grande canção "The Greatest Gift Of All" para mim é música e, portanto, é uma homenagem à música liricamente. Das partes mais suaves, e mais suaves ao inferno da batida orquestral, você encontra quase tudo nesses 12 minutos. Demorou um tempo para terminar essa música.

EC Os fãs brasileiros esperam há muitos anos pela passagem do Edenbridge pelo nosso país. Existe alguma possibilidade da turnê do “The Great Momentum” passar pelo Brasil? 
LanvallBem, eu espero que sim. Muitas vezes, estamos bem perto. Em 2002, uma turnê foi planejada, mas cancelada apenas alguns dias antes, o que foi muito triste. Gostaríamos de visitar a América do Sul!

EC – Novamente gostaria de agradecer por terem aceitado realizar a entrevista. Vocês poderiam deixar uma mensagem aos fãs do Edenbridge e aos nossos leitores no Brasil?
LanvallObrigado pela entrevista. Cumprimentos e agradecimentos a todos os nossos fãs brasileiros. Espero vê-lo na estrada por vezes!


Redes Sociais: 

0 Comentario "Entrevista: Edenbridge (Áustria) "

Postar um comentário

O texto representa a opinião do autor e não a opinião do elegiaecanto.com ou de seus editores

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

PARCEIROS


       

Seguidores

EC NO FACEBOOK