-->
Contato    Equipe    O site   

POESIA: Banquete dos vermes


(Max Silva Costa)


Não sei de que irá adiantar
Modelar seu corpo como argila é ilusão
Nessa obsessão louca em busca da perfeição
Muitos prazeres da vida você nem vê passar
A qualquer momento a matéria pode se submeter
Não haverá máquinas, exercícios ou suplemento,
Restará abaixar a cabeça em desalento
E suas mãos atadas nada poderão fazer
Atentos a tudo eles sentirão o odor
Tomarão posse de sua carne fétida e escarlate
Devorarão e você não sentirá dor.
Enquanto não chegar ao fim irá mastigar
Vale à pena? Os vermes encerrarão o seu disparate
E serão os últimos seres que irão te desejar!


0 Comentario "POESIA: Banquete dos vermes"

Postar um comentário

O texto representa a opinião do autor e não a opinião do elegiaecanto.com ou de seus editores

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Próximos Eventos

             

EC NO FACEBOOK

PARCEIROS

     

TRANSLATOR

Seguidores