-->
Contato    Equipe    O site   

POESIA: A amada Morta


Non Omnis Moriar


Um dia teve uma alma.
Teve carne, olhos e mente;
agora só resta uma imagem alva
com um sorriso resplandecente.


Um dia você teve tempo;
os dias fartos de movimento;
e agora só resta o silêncio
da foto em seu túmulo - Paralisado momento -


Outrora pude tocar seus lábios
e as rosas que agora lhe trago
não podes mais carregá-las nos braços.


Ainda sinto suas mãos em minha face
tentando enxugar essas lágrimas.
Como se toda a dor passasse
tu vens como brisa - a beijar minha alma.


Só me resta a memória passada
e o tempo inimigo do homem
se esvai, porém nunca se acaba...


Sua foto na lápide colada...
O tempo que a imagem parou,
é eterno tal qual o Amor
que guardo por ti doce amada.


Tudo que eu tinha ficou no passado...
Tudo que eu preciso é você...
Tudo aquilo que eu tinha sonhado...
Morreu junto com o amanhecer...


Não me resta absolutamente nada...
Você é o sentido da vida...
e jaz Morta... Fria... Calada...


0 Comentario "POESIA: A amada Morta"

Postar um comentário

O texto representa a opinião do autor e não a opinião do elegiaecanto.com ou de seus editores

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Próximos Eventos

PARCEIROS

     

Seguidores

EC NO FACEBOOK