-->
Contato    Equipe    O site   

POESIA: Dia de Finados

Max Silva Costa

O céu chora em desalento
Além da chuva ouço as orações,
E ouço também o vento
Entoando longas e tristes canções

Já não procuro mais razões ou sentidos.
Lembranças é o que me mantém forte
Diferente da instabilidade dos jazigos
Elas resistem ao tempo e a morte.

Lembranças que curam as dores
Frente ao corpo que o túmulo priva
Trago vida na beleza inefável das flores

Sei que de você aqui só tem restos mortais
Mas mesmo na ausência da carne viva
Vim aqui lembrar-me um pouco mais.



0 Comentario "POESIA: Dia de Finados"

Postar um comentário

O texto representa a opinião do autor e não a opinião do elegiaecanto.com ou de seus editores

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Próximos Eventos

PARCEIROS

     

Seguidores

EC NO FACEBOOK